Educação de Jovens e Adultos
Notícia
Mudanças no Enem medem desenvoltura com linguagem
Revista Língua Portuguesa -   05/08/2009

Adriana Natali

A partir deste ano, o Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, será diferente. Ele servirá como processo seletivo para ingresso nas universidades e nos institutos federais. E as mudanças nas questões envolvendo linguagem serão um dos seus pilares.

A expectativa do MEC é que todas as instituições federais adotem, de alguma forma, o novo Enem como seleção. Mais de 3 milhões de estudantes de todo o país farão o exame, marcado para 4 e 5 de outubro.

Até agora, 42 das 55 universidades federais já declararam usar o Enem de alguma forma como ferramenta de seleção para ingresso. Algumas já adotam o exame para selecionar um percentual de suas vagas, ficando a aplicação de vestibulares como critério para vagas restantes. Há universidades que adotam o Enem só para filtrar candidatos menos preparados em uma primeira fase, o "peneirão", e usam seus vestibulares tradicionais na segunda e definitiva fase seletiva.

Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os conteúdos ministrados no ensino médio e sem a possibilidade de comparação das notas de um ano para outro. A proposta do MEC é que o exame possa ser comparável no tempo e aborde diretamente o currículo do ensino médio.

Cotidiano

O exame será composto por perguntas objetivas em quatro áreas do conhecimento e suas tecnologias: linguagens e códigos; ciências humanas; ciências da natureza, e matemática. Cada grupo de testes será composto por 45 itens de múltipla escolha, aplicados em dois dias.

Ver o Enem como se fosse vestibular é um jeito de o MEC sinalizar outro tipo de formação ao ensino médio, voltada para a solução de problemas em vez do mero acúmulo de conteúdo. Para Marcia Molina, coordenadora de letras da Unisa, o exame passa a avaliar e forçar o ensino básico a trabalhar conteúdos de linguagens atuais e próximos do cotidiano do educando.

- O fato é que, cedo ou tarde, o Enem será usado, desde que devidamente aperfeiçoado. Isso porque parece mais cômodo para as universidades transferir toda a responsabilidade de um complexo processo de organização e gerenciamento de um vestibular. Além dos problemas logísticos como inscrições de candidatos, elaboração, produção, impressão e aplicação de provas, há o cuidado redobrado com a segurança para manter a lisura em todas as partes do processo - afirma Antonio Carlos Xavier, da Universidade Federal de Pernambuco.

Efeitos

Doutora em linguística e professora da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Jane Quintiliano afirma que este é um momento em que se assiste a um movimento, na educação, que promoverá uma série de efeitos que não se limita aos exames de vestibular do país, que ainda apostam em práticas avaliativas.

- Haverá, em grau maior ou menor, uma redefinição no dia a dia da escola, em seus objetos de ensino e aprendizagem e, por extensão, isso chegará aos cursinhos preparatórios para o vestibular. Essa mudança desenha novo ensino, professor e perfil de aluno. O conteúdo passa a ser tratado como um objeto a ser aprendido, a ser apropriado pelo aluno como um conhecimento que se presta a uma finalidade, que prevê um uso social, contextualizado no quadro de uma situação-problema - explica.

A consequência direta desse raciocínio é que os critérios de avaliação de língua portuguesa e redação do Enem seguem a tendência de medir competências e habilidades, não tanto a terminologia dominante nos estudos de gramática. Interessa desenvolver o que está sendo tomado como objeto de conhecimento ou de aprendizagem. Isso implicará uma avaliação que não priorize a mera identificação, decodificação, classificação e nomeação dos fenômenos e objetos estudados, mas privilegie o raciocínio, a análise, a interpretação, as inferências, em que o aluno deve ter a informação e saber como operá-la conforme a situação em que ela se inscreve.

Enunciação

A ênfase, nas provas específicas, será no uso dado à língua portuguesa nas mais diversas situações de comunicação. Serão analisados o texto e o evento comunicativo que o atualiza, ou seja, os enunciados que o compõem. Os elementos linguísticos, textuais, enunciativos, discursivos e conceituais deverão ser lidos e analisados tendo em vista as condições de produção e recepção do texto em exame. 

- Sob esse enfoque, a língua portuguesa ganha vida no texto, na enunciação. O seu trabalho de análise não deve ser aquele pautado por uma orientação metalinguística, em que se privilegia um saber gramatical apartado de outros saberes comunicativos, discursivos, pragmáticos - afirma Jane Quintiliano, professora da PUC-MG.

Nas provas objetivas, de marcar "x", os conhecimentos do léxico da língua portuguesa e das relações lógico-semânticas, e a capacidade de realizar cálculos pragmáticos para descobrir a intenção dos autores de textos orais e escritos, também serão cobrados com maior intensidade do candidato. O aluno deve dominar os vários mecanismos sintáticos e saber como utilizar adequadamente os sinais de pontuação, as formas de concordâncias verbal e nominal, os aspectos e modos de conjugação dos verbos, elementos de referência pessoal, espacial e temporal, pois tudo isso será objeto de avaliação na prova.

- Certamente não serão pedidas as nomenclaturas desses fenômenos, mas seu funcionamento na língua. Essa é uma das principais virtudes do Enem e que terá continuidade a ponto de desencorajar aulas de português centradas na mecanização de regras sem uma compreensão da sua verdadeira funcionalidade - opina Xavier, da UFPE.

Já a redação deverá ser estruturada na forma de texto em prosa do tipo dissertativo-argumentativo, a partir de um tema de ordem social, científica, cultural ou política. Diminui, assim, a possibilidade de o candidato contar com uma preparação focada numa diversidade de gêneros de texto, como narrativas e cartas (dirigida a interlocutor específico, diferentemente da dissertação argumentativa, que se dirige a interlocutor genérico, universal).

- Nesse sistema de avaliação, prevê-se um aluno cuja vida acadêmica tenha lhe proporcionado o desenvolvimento de uma competência discursiva que o capacite a se constituir usuário da língua e dos discursos que o cercam. Portanto, desenha-se um sujeito dotado de uma autonomia, de uma reflexão, de uma posição responsiva, dialógica com a sua fala e a fala dos outros com quem interage - explica Jane Quintiliano.

Atenção

Os critérios para a avaliação da redação, aplicados pelos professores de português selecionados pelo Enem, foram baseados nas cinco competências da prova objetiva (dominar linguagens, conhecer fenômenos, enfrentar situações-problema, construir argumentação e elaborar propostas de solução levando em conta os direitos humanos e a diversidade sociocultural).

Cada uma dessas competências corresponde a um dos cinco aspectos esperados no texto. Assim, o candidato deve compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema na estrutura de um texto dissertativo-argumentativo; demonstrar domínio do padrão da língua; selecionar, relacionar, interpretar e organizar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; demonstrar que sabe usar os mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação, e elaborar proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.

Para Lílian Ghiuro Passarelli, professora de português da PUC-SP, o candidato atento, que lê com atenção toda a proposta, terá à disposição as informações de que necessita para produzir seu texto e os critérios com os quais será avaliado. No caso da PUC-SP, as propostas são construídas com textos que devem ser contemplados pelo candidato ao produzir sua redação. Isso implica que o aproveitamento da "conversa" entre os textos geradores da proposta é um dos critérios de avaliação. De acordo com o tratamento que o estudante confere à articulação das ideias presentes nos textos de apoio, com mais ou menos espírito crítico, a pontuação pode oscilar.

- Outro critério costuma ser a adequação do texto ao desenvolvimento do tema. Se, por exemplo, for solicitada a produção de texto dissertativo-argumentativo com base em tema gerado pelos textos de apoio, a estrutura da redação tem de se apresentar compatível com esse tipo de texto. O uso da norma culta também é um critério que não se restringe apenas à correção gramatical, mas ao uso adequado de estilo ou registro, com propriedade de termos e construções frásicas, de acordo com a situação discursiva. E a presença do título tem de ser adequada ao texto - explica Passarelli.

Desde a criação do Enem, em 1998, o desempenho dos candidatos a universitários em provas de língua portuguesa e redação é o que mais preocupa os professores. Dados de 2008 mostram que a média geral nas provas objetivas, considerando alunos de escolas públicas e privadas, foi de 41,69, numa escala de 0 a 100 pontos. Em redação, a média ficou em 59,35 pontos. Esses resultados não são diferentes dos observados nas avaliações dos anos anteriores.

Desempenho

Nas provas de língua portuguesa, com questões objetivas, o problema mais comum se refere à compreensão de leitura da pergunta e dos textos usados como exemplo. Quanto à prova de redação, tem havido muita repetição de fórmula, como se o ensino de produção textual fosse pré-moldado.

Um dos problemas de natureza gramatical que parece ter aumentado foi a acentuação ortográfica, o que deve se agravar com a adoção do novo acordo ortográfico. Há estudantes que, na dúvida (ou na "certeza" de que os acentos "caíram"), não acentuam praticamente nada. Um ponto que também aflige é a ortografia errada de palavras que estão presentes nos enunciados da prova. Problemas de paralelismo sintático e semântico são bastante comuns.

- Entre tantas ocorrências, um problema comum é o título dado pelos candidatos a suas redações. Além de muitos não "batizarem" seu texto, há os que até o batizam, mas por vezes a obviedade é tanta que o título acaba não cumprindo seu papel de dar a conhecer o que será tratado no texto. Há casos em que o título até se apresenta em adequação ao texto produzido, mas é tão lugar-comum que a carga de informação que ele deveria oferecer acaba praticamente nula - afirma Lílian Passarelli.

Teoria e prática

Ao final do ensino médio, prevê-se que o aluno compreenda e use um registro da língua portuguesa adequado às mais diversas situações de comunicação das quais participa  como produtor e ouvinte ou leitor.

A construção dessa competência pressupõe, pelo aluno, o uso de diferentes habilidades, como avaliar a situação de comunicação - quem são os interlocutores, o propósito do texto, seu conteúdo temático, o objetivo em mente, os efeitos que se pretende alcançar, o gênero de discurso em cena - selecionar a variedade de língua que se mostra eficaz à situação de comunicação, o estilo a ser empregado, e planificar o texto. Em outras palavras, o que está em jogo são os saberes ou os conhecimentos relativos aos modos de agir discursivamente em uma comunidade.

- É preocupante que grande parte dos textos produzidos em vestibular dá-nos um retrato das práticas de escrita no mundo escolar: são esvaziadas de sentido, pois não remetem a situações de escrita que se aproximam das práticas discursivas de nossa sociedade. Os candidatos parecem não lidar, no curso de sua produção escrita, com um projeto de dizer, traçado, muitas vezes, na proposição da tarefa - diz Jane Quintiliano.

Everaldo Pinheiro, professor de literatura da Universidade São Judas Tadeu, lamenta os analfabetos funcionais.

- Os alunos escrevem e leem, mas não interpretam o que leem e não dão sentido ao que escrevem. A função do Enem é forçar as escolas a uma postura de eficiência no conhecimento da língua portuguesa e de sua estrutura - explica.

A falta de compreensão e os problemas de desenvolvimento textuais têm sido graves, diz Carlos Augusto Andrade, pró-reitor de graduação da Universidade Cruzeiro do Sul.

- Há redações que não traduzem o mínimo de coerência e pertinência ao tema proposto. Muitas são escritas numa variante coloquial, com incidência da modalidade oral e não respeitando o contexto de produção que exige linguagem mais apurada. Percebe-se falta de conhecimento de mundo e os conhecimentos de estruturação textuais - explica.

Dificuldades

O reitor da Universidade de Sorocaba, Aldo Vannucchi, coleciona exemplos de tropeços em vestibulares. Há muitas marcas da oralidade (treis, vamo...); dificuldade de distinguir os gêneros dos textos (descritivo, narrativo, dissertativo); de organizar e dar coesão ao texto.

- Os candidatos revelam, em geral, dificuldades no domínio das regras da norma culta. Na redação, faltam aprofundamento do tema, concatenação dos parágrafos e pontuação. Poucos alunos reveem, corrigem e aprimoram o que escrevem - diz.

Antonio Carlos Xavier, da UFPE, fez pesquisa, em 2005, com um grupo de 50 professores de português, pois acreditava que muitos deles não dominavam aquilo que ensinavam: a produção de texto.

- Descobri que a falta de prática levou muitos deles a perder a habilidade de escrever. Grande parte dos nossos universitários sai dos cursos de letras e pedagogia sem dominar aquilo que lecionam e essa falha se perpetua em toda a sua vida profissional. A consequência é o excesso de aulas de gramática e os escassos momentos para a produção de texto. Quando solicitada, faz-se de forma inadequada, instruindo o aluno a escrever sobre um tema às vezes desconhecido para ele. A escrita não é precedida por uma discussão oral sobre o tema nem pela leitura de textos que o abordem. É preciso subsidiar o aluno de informação para que possa construir um texto com um mínimo de qualidade, pertinência e relevância - explica.

Investimentos

Para Roberto Baronas, professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), é necessário um investimento político e financeiro na formação não apenas continuada, mas, principalmente, permanente dos nossos professores. Esse investimento implicaria, por exemplo, mobilizar de forma efetiva as contribuições das mais diversas ciências da linguagem para se pensar o ensino de português e de redação na escola.

- Enquanto a escola estiver presa a uma abordagem estritamente gramatical, que não considera o uso e o funcionamento discursivo da língua, nossos alunos continuarão com baixo desempenho escolar - afirma.

Reestruturação

Professora do curso de Letras da Universidade Anhembi Morumbi, Débora Malletezarim de Angelo concorda que é preciso haver uma maior valorização da categoria.

- Valorizar a profissão de professor e formar profissionais dispostos a estudar sempre, e não apenas no período da graduação, é uma das formas de melhorar a qualidade do ensino nas escolas - afirma.

Segundo o MEC, reestruturar o Enem para usá-lo como prova unificada evidencia o papel que o exame já cumpre. Em 11 edições, a procura pelo Enem subiu de 150 mil para mais de 4 milhões de inscritos, sendo que mais de 70% dos participantes afirmam que fazem a prova com o objetivo maior de chegar à faculdade.

Um inconveniente que o MEC quer contornar com o novo modelo é a descentralização dos processos seletivos, que favorece candidatos com maior poder aquisitivo, capazes de diversificar suas opções na disputa por uma vaga. Por outro lado, restringe a capacidade de recrutamento pelas universidades públicas, desfavorecendo aquelas localizadas em centros menores. Outra característica nociva do vestibular tradicional é a maneira como ele acaba por orientar o currículo do ensino médio.

Se a iniciativa do MEC terá adesão de todas as instituições, é cedo para dizer. Seja qual for o futuro do exame, dizem os especialistas, os temas de português e a redação serão alvo de atenção redobrada e mudanças, que têm tudo para ser benéficas.



« voltar


Acesse o ambiente


Todos os direitos reservados © Copyright FUNDAÇÃO TROMPOWSKY